Brasileira consegue se estabelecer na Austrália fixamente por seu talento com tatuagens

Brasileira é muito talentosa e faz tatuagens com excelência

A tatuadora brasileira, Daniela Vasconcelos, conseguiu se estabelecer permanentemente na Austrália com o visto de ‘’talento distinto’’, pelo fato de se destacar em sua profissão. Daniela pensa ser a única a possuir tal documento.

O Distinguished Talent Visa (visto talento distinto) é concedido na Austrália à pessoas que possuem excelência no que fazem, seja em sua profissão, nas artes, esportes e até pesquisas. Tais pessoas conseguem a moradia permanente.

Daniela relata não saber de um outro alguém que possua tal documento por ser tatuador(a). Ela diz estar muito feliz pelo reconhecimento de seu trabalho, que também não deixa de ser uma arte. A moradora de Porto Alegre, aos 36 anos de idade se mostra entusiasmada pela conquista.

PUBLICIDADE

Daniela já reside em Sydney há cerca de 6 anos. A tatuadora conta que não foi fácil conseguir o visto, uma vez que a principio o pedido tenha sido negado pelo governo australiano.

Todo o processo, desde o pedido até a permissão, durou cerca de 2 anos e 7 meses. Juntamente à permissão, veio também uma afirmação da juíza, na qual dizia que a jovem brasileira era um ‘’bem para a Austrália’’.

Daniela conta que o processo é menos burocrático quando diz respeito à outras áreas que diferem da sua, como o esporte, por exemplo, que pode acontecer de chegar a permissão em até 6 meses. Até hoje, todos os pedidos com relação à tatuagens foram negados pelo governo.

PUBLICIDADE

Para que seja concedida a permissão, a lista de requisitos é bem vasta. São necessários: a nomeação de alguém da área, reconhecimento internacional na profissão, provar excelência, ter entrevistas publicadas, premiações e usar o trabalho para agregar algo ao lugar onde mora.

Quanto à valores, essa brincadeira não sai muito em conta não. São cerca de 4.110 dólares australianos, ou seja, 10,8 mil reais.

O visto conseguido por Daniela é tão raro que dois advogados que ela procurou não sabiam do que se tratava.

Daniela disse que se adequava em todos os requisitos e por isso quando o visto foi negado ela decidiu insistir. O currículo da moça possuía 50 páginas, e por isso a juíza disse que era o suficiente para a permissão.

 

 

PUBLICIDADE

Escrito por Redator News Hero

Sou especialista em notícias da TV, fofocas de famosos e acontecimentos em geral. Também escrevo sobre acontecimentos no meio político.