“Doença do Pombo” faz duas vítimas em São Paulo e moradores ficam em alerta

Pacientes ficaram internados por quatro meses com dores de cabeça persistentes

No último mês um cinegrafista de 43 anos e um empresário de 56 anos acabaram falecendo em Santos, no litoral de São Paulo devido a uma criptococose, que é conhecida de forma popular como sendo a “doença do pombo”.

Após os casos a prefeitura informou que nos protocolos atuais de saúde que devem seguir não é obrigatória a notificação a respeito de casos da doença, mas que eles realizam ações de prevenção .

O empresário José Wilson de Souza morreu no dia 19 de julho, já o cinegrafista Mauro Sérgio Gil Senhorães morreu no dia 23 do mesmo mês. Os dois ficaram internados durante quatro meses em hospitais distintos.

PUBLICIDADE

Antes de contraírem a doença ambos levavam um vida saudável e ativa, e estavam sadios, segundo informações concedidas pelos familiares.

Os dois homens apresentavam os mesmos sintomas, entre eles dores de cabeça, tonturas, febres, além da falta de ar e cansaço. Os sinais que são dados pela doença podem até mesmo acabar sendo confundidos com uma simples gripe.

Logo ao final da doença, os dois tiveram o quadro da doença bastante agravado. O empresário chegou até mesmo a ficar em coma.

PUBLICIDADE

A infecção é causada por fungos, estes fungos podem estar presentes em fezes de pombos e até mesmo em ocos de árvores. Com isso, eles podem acabar se proliferando através do ar. O risco maior de contaminação é em ambientes fechados onde este tipo de animal pode estar presente.

O fungo é inalado pela pessoa, e após isso irá se alojar no pulmão e sem seguida irá migrar para todo o sistema nervoso central do paciente, causando os sintomas informados anteriormente.

A respeito da proliferação da doença, a infectologista Rosana Richtmann informou que devido a grande difusão destes animais em cidades grandes, se torna difícil que haja um controle da doença. Para isso, o melhor a se fazer é evitar locais que tenham uma grande concentração de pombos.

Foi informado pela Secretaria de Saúde de Santos que não é obrigatório que a doença seja notificada nem pelas unidades de saúde publica nem pelas privadas, devido os atuais protocolos. E por este motivo não existem dados a respeito da doença. No entanto, existem ações educativas no município para a prevenção da doença.

 

PUBLICIDADE

Escrito por Redator News Hero

Sou especialista em notícias da TV, fofocas de famosos e acontecimentos em geral. Também escrevo sobre acontecimentos no meio político.