Mulher de 25 anos processa hospital após passar por cesariana sem anestesia

Para salvar a vida do bebê, médica toma atitude inesperada.

Um absurdo aconteceu com uma mulher em San Diego nos Estados Unidos, Delphina Mota está processando o hospital após ser amarrada e ter sua filha através de uma cesariana de emergência sem anestesia.

A mulher de 25 anos já estava com 41 semanas de gestação quando o bebê deu indícios de que ia nascer, então ela e o marido se dirigiram para o Centro Médico tri-City, ela ficou em trabalho de parto durante toda a noite e parecia que tudo ia de acordo com os procedimentos normais para um parto.

Mas de repente algo inesperado aconteceu e o pesadelo de Delphina começou, a pressão arterial da jovem caiu e a obstetra que a atendia não conseguiu ouvir os batimentos cardíacos do bebê estavam muito fracos e então ela decidiu fazer uma Cesária de emergência.

PUBLICIDADE

Eles chamaram o médico anestesista que não chegou ao local com a rapidez com que era preciso, passados alguns minutos e com medo do bebê não resistir à médica obstetra Sandra Lopez e sua equipe tomar uma decisão precipitada para salvar a vida do bebê.

‘Amarre as mãos”, ordenou a médica aos enfermeiros.

Os médicos amarram as mãos da mulher e depois cortaram o abdômen inferior sem qualquer anestesia, para tirar o bebê. Isso é um caso real que aconteceu em novembro do ano passado no, em San Diego.

PUBLICIDADE

O pai do bebê contou que percebeu que algo estava errado, embora todos os médicos estavam prontos para prosseguir a cesárea de emergência, então ele começou a ouvir gritos horríveis de dor vindos de sua namorada.

Embora o sofrimento que ela passou foi terrível, o bebê nasceu bem e saudável, mas a mãe passou por uma experiência tão traumática que não esquecerá jamais:

“Eu sei por que os médicos fizeram, mas isso é impensável que em uma sala de parto não tem um anestesista de emergência” disse a mãe. O advogado da mulher entrou com um pedido de indenização contra o hospital e pede cinco milhões.

O namorado ficou indignado com a violência sofrida pela namorada, mesmo que tenha sido um ato para salvar a vida do bebê:

“Se alguém puser uma faca em seu estômago e te abrir, e colocar a mãos dentro de você e arrancar seu bebê, você vai saber. Eu apenas tentei me colocar no lugar dela “, disse. “Só pensava em como seria ser estripado como um peixe”.

PUBLICIDADE

Escrito por Notícia Viva