Padrasto acusado de matar menino de 7 anos afogado na lama é inocentado e vizinho da família indiciado pelo crime

Segundo a família, Danilo sumiu no dia 21 de julho dizendo para a mãe que estava indo na casa da avó, 6 dias após o corpo do menino foi encontrado em um lamaçal.

Ryan Alves de Oliveira, servente de pedreiro de 18 anos, foi indiciado por matar Danilo de Souza Silva de 7 anos afogado na lama do Brejo, cerca de 100 m da onde ele morava, no Parque Santa Rita em Goiânia.

A Polícia Civil informou nesta última segunda-feira (10), que o padrasto de Danilo que era suspeito de ter cometido o crime, foi inocentado, a Polícia Civil disse que o Ministério Público de Goiás pediu a soltura do padrasto do garoto.

Reginaldo Lima Santos foi preso com Ryan servente de pedreiro no dia 31 de julho, por suspeita de matar Danilo, como a prisão preventiva foi decretada pela justiça de Goiás, a revogação também deve ser feita pelo Judiciário.

PUBLICIDADE

Ele estava preso na delegacia de capturas, a defesa de Ryan foi procurada e disseram que vão acompanhar todo o procedimento e averiguar se todas as formalidades estão sendo cumpridas e sustentam a inocência de Ryan.

Os advogados não acreditam no que está no inquérito, que relata que ele tinha ciúmes do padrasto da vítima, em nota o Ministério Público de Goiás diz que após ser analisado o inquérito, o promotor se manifestará.

Segundo a família, Danilo sumiu no dia 21 de julho dizendo para a mãe que estava indo na casa da avó, 6 dias após o corpo do menino foi encontrado em um lamaçal.

PUBLICIDADE

A polícia informou que Ryan Oliveira era vizinho da família, ele disse que os dois iriam buscar uma pipa que havia caído no brejo, segundo o delegado, Ryan atraiu o menino para o local afastado dizendo que era para eles pegarem uma pipa, lá o asfixiou na lama até a morte.

No depoimento, Ryan dizia que tinha ajudado o padrasto a segurar o menino, posteriormente a versão foi mudada pelo próprio Ryan, o delegado disse que ele premeditou o crime durante cinco dias.

O delegado Braga disse que Ryan tinha ciúmes do pai adotivo, o pastor, porque ele ajudava a família de Danilo e como o pastor já tinha passagem pela polícia, ele acreditava que seria acusado pelo crime.

 

PUBLICIDADE

Escrito por Informe Cl

Colunista de notícias dedicada a escrever artigos de qualidade sobre saúde, TV, notícias de grande repercussão, notícias gospel e demais assuntos.