Pai de Rhuan fala sobre a morte cruel do filho e manda recado para assassinas

A morte de Rhuan repercutiu nas redes sociais e seu pai mandou um recado para as assassinas, confira

A morte do pequeno garoto Rhuan Maycon, de apenas 9 anos de idade surpreendeu todo o país e chamou a atenção de muitas pessoas nas redes sociais. Até o momento se sabe que ele foi assassinado e o crime ocorreu no último dia 31 de maio.

A mãe, Rosana Auri da Silva Cândido, de 27 anos de idade e sua companheira Kacyla Priscyla Santiago Damasceno, de 28 anos, são as duas grandes suspeitas de terem tirado a vida de Rhuan. O crime apontado como ‘cruel’ pelas autoridades, aconteceu na cidade de Samambaia, Distrito Federal.

Rhuan nasceu de uma relação entre Maycon Douglas e Rosana, mas ambos se separaram pouco tempo depois. No ano de 2014 o pai brigou pela guarda do filho na Justiça, porém, sua antiga companheira fugiu da cidade de Rio Branco, no Acre.

PUBLICIDADE

Auri da Silva seguiu viagem com sua nova parceira, Kacyla e levou o pequeno Rhuan. Os três passaram por diversas cidades até chegar ao Distrito Federal.

Maycon fez algumas declarações sobre a morte de seu amado filho e deixou claro que além do luto, vive agora com uma imensa sensação de impotência. Tudo porque ele imagina um pouco da dor e do sofrimento que Rhuan sofreu antes de ser assassinado de uma maneira cruel.As duas mulheres fizeram coisas horríveis com a criança de 9 anos e uma delas foi retirar o órgão genital do garoto. Sobre tais acusações ambas argumentaram que Rhuan tinha o desejo de ser mulher.

Porém, todo o processo foi feito dentro de casa e o garotinho nunca teve um acompanhamento médico adequado após a cirurgia. O fato deixou muitas pessoas com raiva nas redes sociais.

PUBLICIDADE

Atualmente Priscyla e Rosana são acusadas de diversos crimes. Entre eles de fraude processual após tentar alterar o local do crime.

Tortura, por ter proporcionado muita dor ao garoto antes de enfim retirar sua vida. Lesão corporal Grave e homicídio duplamente qualificado. Todos os crimes após serem levados para o tribunal, podem resultar em 57 anos de cadeia para cada uma delas.

O pai de Rhuan informou que não confia muito na Justiça brasileira e que não busca informações sobre quantos anos as duas vão ficar presas. Seu interesse é apenas na ‘justiça divina’ e espera que Deus julgue as criminosas.

 

PUBLICIDADE

Escrito por Carla Juliana

Redatora no site noticiaviva.com. Apaixonada por gatos. Uma pessoa simples e muito bem humorada. Contato: [email protected]