Para a polícia não há dúvidas, Flordelis envenenou ex-marido pastor e custeou compra de arma

De acordo com o delegado, Flordelis arquitetou o crime, custeou compra de arma e persuadiu pessoas à cometerem o crime

A polícia civil do Rio de Janeiro deu por concluída as investigações à respeito do assassinato do Pastor Anderson Du Camo, que morreu em sua garagem na madrugada de 16 de junho de 2019.

A polícia apontou a deputada federal e cantora gospel Frodelis como o mentora do assassinato do pastor Anderson.

A depurada também é acusada ​​de envenenar a comida o pastor e financiar a compra de arma usada em crime.

PUBLICIDADE

O depoimento foi investigado e afirmado pelo delegado Allan Duarte, delegado da Polícia de Homicídios (DHNSGI) de Niteróia, São Gonçalo, Maricá e Itaboraí.

De acordo com investigação da polícia, o plano de matar o pastor teve início em maio de 2018 e causou um incidente de envenenamento por arsênico.

Introduzir veneno na comida comida pelo pastor. Naquele ano, Anderson foi ao Hospital Nitroy várias vezes com diarreia, vômitos e suor.

PUBLICIDADE

O procurador Sérgio Luiz Lopes Pereira disse que a associação familiar criminosa tentou primeiro matar o pastor envenenado e depois atirou. Após o crime, a organização tentou usar a contra-informação para fraudar a investigação.

De acordo com o delegado Allan Duarte, a deputada projetou os planos para a morte de ex-esposo e pastor, providenciando recursos para a compra de arma e persuadir pessoas a participarem do crime. Além disso, ela alertou quanto a chegada da vítimas ao local do crime, inclusive tentou fazer ocultação das provas.

Segundo o delegado: “Não há dúvida de que ela é a autora do intelectual e a pessoa responsável por este crime”.

PUBLICIDADE

Escrito por News Report

Colunista de notícias, visando levar a informação à leitores diversos, através da internet, mídias sociais, redator de plataforma em diversos assuntos.