Preso por ter matado funcionária do MEC é maníaco em série segundo delegado

Inquéritos datados de 2014 e 2015 seriam arquivados por falta de indícios de suspeitos

O homem que foi preso de forma preventiva, acusado de ter matado a funcionária do Ministério da Educação (MEC) Letícia Sousa Curado Melo de 26 anos de idade, está sendo tratado pela polícia agora como sendo um “maníaco em série”.

Marinsio dos Santos Olinto preso pela morte de Letcia Sousa Curado Melo Foto Polcia Civil do DFDivulgao

Marinésio dos Santos Olinto, de 41 anos de idade foi preso pela polícia nesta última segunda-feira (26). Ele está sendo investigado pela suspeita de cometer vários crimes, e que sempre fazia uso de sua caminhonete para isso.

PUBLICIDADE

Entre os crimes que ele está sendo acusado estão o assassinato de Letícia Sousa Curado Melo de 26 anos e Genir Pereira de Sousa de 47 anos. Além dos abusos sexuais cometidos contra duas irmãs de 18 e 21 anos de idade, e o abuso contra outra jovem de 23 anos.

O delegado responsável pelo caso, Veluziano Castro, revelou que o suspeito havia confessado ter cometido os assassinatos, mas negou ter cometido qualquer tipo de violência sexual contra Letícia.

Foi declarado pelos responsáveis pela investigação que este perfil apresentado por Marinésio é de maníaco em série, que ele sabe exatamente a respeito de tudo que ele cometeu.

PUBLICIDADE

A polícia também informou que o homem permaneceu em silêncio ao ser exposto a provas dos crimes que cometeu. Como por exemplo as imagens em que o carro dele aparece que foram obtidas através de câmeras de segurança.

Após os crimes cometidos contra Letícia e Genir, a polícia começou a investigar outros casos que poderiam se relacionar com os crimes cometidos por Marinésio, que aconteceram há cerca de 5 anos.

Casos que iriam ser arquivados, de 2014 e 2015 acabaram sendo reabertos. Ele iram ser arquivados devido a falta de provas para continuar as investigações.

O delegado informou que foi notada um semelhança na forma de agir, no carro usado pelo agressor para realizar os crimes, além da causa da morte de suas vítimas, que ocorreu por asfixia.

Apesar da suspeita da relação ainda é necessário aguardar que seja feita uma nova análise de laudos e perícias sobre as mortes dessas mulheres. O nome das vítimas agora não foram divulgado. Após a foto do suspeito ter sido divulgada, mais outras três jovens de 18, 21 e 23 anos relataram em depoimento feito à Polícia Civil que foram vítimas do homem.

 

PUBLICIDADE

Escrito por Redator News Hero

Sou especialista em notícias da TV, fofocas de famosos e acontecimentos em geral. Também escrevo sobre acontecimentos no meio político.