Professora de Rafael lamenta a morte do menino de 11 anos, assassinado pela mãe:”Um guri que fazia amizades fácil, ninguém consegue acreditar nisso”

Professora, fala sobre o menino Rafael, morto pela mãe.

A cidade onde o menino residia em planalto, tem pouco mais de dez mil habitantes, está em choque após saber da morte macabra do menino de 11 anos. Ladejane Rabagió, professora deu aulas para Rafael no último ano, quando o menino estava no 5! ano, conta de coração triste, que ele “era um exemplo de aluno”.

“Era uma criança, muito aplicada, estudava muito, tinha excelentes notas. Um bom aluno muito bem comportado. Além de ser muito meigo, também era tímido, reservado, carismático com os amigos, um guri que fazia facilmente amizades.

“Todos estamos sem chão, com o desfecho deste acontecimento, foi muito chocante, jamais ninguém imaginaria algo assim, um fim triste e tão trágico, princialmente pela mãe estar envolvida.

PUBLICIDADE

Jamais ninguém esperaria que isso fosse acontecer, até pelo comportamento dela durante estes anos todos, de ter o máximo cuidado no que se diz respeito aos filhos dela”, afirma.

Relembrando o caso, a criança tinha sido dada como desaparecida desde o dia 15 de maio, e o corpo já foi achado morto na última segunda (25). Segundo as informações dadas pelas autoridades, a mãe Alexandra, confessou ter dado um medicamento para o garoto e levou as autoridades ao lugar onde abandonou o corpo.

Uma defesa da mãe, conta que ela jamais teve a intenção de a matar, trata-se de um suicídio culposo, mas que em nenhum momento a ideia era matar o filho. Ela apenas deu um medicamento, pelo que confirma o irmão mais velho, e para ele, o menino veio a óbito logo após ter tomado a dosagem.

PUBLICIDADE

Ainda segundo os relatos da professora, o menino parecia ter um relacionamento estável com a mãe, jamais suspeitaram que existisse algum indício de violência familiar entre ambos.

“Ela sempre foi uma mãe muito cuidadosa com ele, mandava ele para o colégio, sempre com um adulto a acompanhar, sempre muito limpo, zeladinho, bem vestido. Um guri bem cuidado pela mãe”, conta.

A professora acrescenta que a comunidade ajudou nas buscas pelo menino quando supostamente teria desaparecido. A mãe estava muito serena, mesmo sabendo que o tinha matado. Os grupos foram criados com o objetivo de o encontrar com vida.

“Toda a comunidade, chora, a comunidade está de luto, está triste, desolada, é algo horrível o que aconteceu, até agora ninguém consegue acreditar”.

Pela cidade foram espalhados cartazes de luto.

 

 

 

 

PUBLICIDADE

Escrito por Carla Sofia

Sou especialista em Receitas, dicas e saúde! Gosto sempre de estar atualizada de novas receitas e formas medicinais!